Nova lei da TV paga movimenta serviço e aumenta trabalho de produtoras

Ir em baixo

Nova lei da TV paga movimenta serviço e aumenta trabalho de produtoras Empty Nova lei da TV paga movimenta serviço e aumenta trabalho de produtoras

Mensagem por Dennis em Dom Set 22, 2013 6:20 pm

Nos últimos tempos, ouviu-se falar bastante sobre a nova lei da TV paga, que obriga os canais a apresentar pelo menos três horas de “conteúdo qualificado brasileiro”. Muita gente já leu sobre o assunto, mas outras tantas não sabem bem o que isso significa. O que isso representou para as produtoras brasileiras e para os canais? E em audiência, é vantajoso? São perguntas que vamos tentar explicar nesta matéria especial.

Segundo a Ancine (Agência Nacional de Cinema), essa nova lei foi discutida por cinco anos e visa “democratizar e incentivar uma nova dinâmica para produção e circulação de conteúdos audiovisuais produzidos no Brasil, de modo que mais brasileiros tenham acesso a esses conteúdos”.

Para o assinante, de fato, só muda o seguinte: cada vez mais, ele vê conteúdo nacional na TV paga. O problema é que, como as programadoras não esperavam essa lei, no primeiro momento, o que aumentou foram as reprises de filmes brasileiros, já que cada canal tem que cumprir 3 horas e 30 minutos por semana de conteúdo qualificado, o que colocando no papel, é a duração de dois filmes brasileiros de 1 hora e 45 minutos, por exemplo.

Porém, os canais já estão se movimentando, porque uma hora o estoque de filmes acaba e as reprises irritam. E a intenção da Ancine, de fato, é estimular a produção independente, que segundo ela, não tem “coligação com programadoras, empacotadoras, distribuidoras ou concessionárias de serviço de radiodifusão de sons e imagens”.



O número de séries ou programas brasileiros no horário nobre da TV paga aumentou em cerca de 40%. Hoje, no ar, temos séries como “Vida de Estagiário” na Warner, “Brilhante F.C” na Nickelodeon e programas como “Operação Policial” e “Desafio Pet” no NatGeo, “Investigação Criminal” na A&E, e exibição de reprises de programas da TV aberta, como “Mulheres Ricas” no TLC, “É Tudo Improviso” e “CQC” no TBS e “Polícia 24 Horas” no A&E.

A produção aos poucos, vem ficando enorme. O NaTelinha visitou a sede da Medialand em São Paulo, a única produtora independente do país que produz apenas para a televisão.

No ano passado, o número de produções na empresa era de cerca de 20. “Agora, são quase 40 séries no ar ou em produção”, diz Beto Ribeiro, roteirista e produtor executivo. “Pra gente, não mudou muita coisa. A única coisa que mudou foi a demanda de produções indo pro ar, o que é normal”, acrescenta.

Já Carla Albuquerque, criadora e produtora executiva da Medialand, contou qual é o desafio no momento: “É continuar com o mesmo tesão, ter prazer em fazer produções com muita qualidade”.

Aliás, qualidade parece ser a premissa da Medialand para fazer uma produção. Recentemente, a produtora fechou um acordo de longo prazo com a emissora jovem PlayTV. Ela irá exibir seriados como “Os C & D” e “Eu Odeio meu Chefe”, além do reality “Casting”, que nada mais é do que a escolha dos atores para estas duas séries.

“Eu disse para Carla para a gente gravar o processo e transformar em programa, porque quando o 'Casting; acabar, o público verá os atores para quem eles torceram em ação. Mas eu imaginava a gente colocando uma câmera em um estúdio e pronto, não uma coisa grandiosa, no Teatro Frei Caneca, como foi”, relatou Beto. Além disso, a Medialand virá com outras coisas por aí. “Nós fechamos com um canal muito grande, uma coisa muito boa, eu estou louco pra falar, mas não posso contar agora”, finaliza Carla.


Cena de "Casting", reality-show produzido pela Medialand


Audiência

Em termos de audiência, ainda não mudou muita coisa. Segundo dados consolidados do Ibope, o líder na TV paga continua sendo o infantil Cartoon Network, seguido do Discovery Kids. Dos canais de séries e filmes, o melhor colocado é a Fox, que anuncia para o mês de outubro a estreia da série “Se Eu Fosse Você”, com Paloma Duarte e Heitor Martinez, baseado no filme homônimo protagonizado por Glória Pires e Tony Ramos.

Porém, deve-se relatar o crescimento do NatGeo no horário nobre: o canal acrescentou em audiência cerca de 12%. Um dos responsáveis por essa alta foi, justamente, as estreias de produções nacionais.

A conclusão é que o povo gosta de ver seus conteúdos nacionais na tela, não há problema nenhum nisso. Mas o público é exigente. A TV paga, com tal lei, só tem a crescer. E a produção nacional no Brasil só tem a ganhar.

_______________________________________________

.
.
Nova lei da TV paga movimenta serviço e aumenta trabalho de produtoras Assina11

Dennis
Dennis

Nova lei da TV paga movimenta serviço e aumenta trabalho de produtoras Default6

Mensagens : 496
Pontos : 1439
Reputação : 0
Data de inscrição : 26/05/2013
Idade : 42
Localização : Praia Grande/SP

https://satbr.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum